domingo, 1 de julho de 2012

Pandemia de gripe aviária: uma terrível possibilidade




11:05 27/06/2012
A gripe aviária, também conhecida pelo código H5N1 (não confundir com a gripe suína – H1N1), mata mais de 50% dos infectados. Mas, desde que foi descoberta, em 2003, somente 332 pessoas morreram vitimadas por ela. Isso porque a doença ainda não é transmitida pelo ar, mas somente através de contato direto entre aves e seres humanos. Mas isso pode mudar. Saiba por que a seguir:
Dúvida mortal
Acaba de ser publicado um trabalho considerado pelo site da Wired (1) como um dos mais importantes de 2011 e que trata de uma descoberta aterrorizante: cinco mutações bastavam para que o vírus H5N1 passasse a ser transmitido pelo ar. E isto já aconteceu. Uma gripe tão mortal causará uma pandemia (epidemia planetária), se puder ser transmitida por espirros e tosse.


Assim que o cientista Ron Fouchier (foto), do Erasmus Medical Centre, em Roterdã, Holanda, anunciou que havia identificado as mutações, surgiu a dúvida: publicá-las ou não? Temia-se que laboratórios produzissem a cepa com mutações para praticar o bioterrorismo (2) ou que um acidente ou falha na segurança das amostras resultasse em um vazamento do vírus letal para a atmosfera. Nos dois casos, terror e morte se seguiriam em todo o mundo.

(1) A Wired é uma revista norteamericana que trata de questões envolvendo a tecnologia e sua influência sobre a sociedade, a cultura, a economia e a política.
(2) Bioterrorismo é o ato de espalhar vírus ou bactérias, com a intenção de provocar doenças e a morte de pessoas, animais ou plantas. Laboratórios criminosos são capazes de fabricar vacinas e praticar o bioterrorismo, para obrigar os governos a comprá-las deles. Que mundo, não?…


Depois de muita discussão, ficou decidida a publicação do trabalho, com todos os detalhes sobre as mutações. A esperança dos cientistas é que a divulgação possibilite a fabricação de vacinas e uma investigação das mutações existentes, para verificar se alguma cepa na natureza possuía alguma das mutações necessárias. Avalia-se que, se alguém for infectado por uma versão com duas das mutações, nos cinco dias de infecção normal, as outras três mutações poderiam ocorrer, e o vírus poderia passar a ser transmitido por espirro e tosse.

Família complicada
O Influenza A (foto microscópica) é uma “família” de vírus que ataca aves e alguns mamíferos. Os membros desta “família” recebem um nome relacionado à hemaglutinina (H) e à neuraminidase (N) específicas. Existem 17 diferentes hemaglutininas, de H1 a H17, e 9 diferentes neuraminidases, de N1 a N9. A gripe suína tem a hemaglutinina tipo 1 e a neuraminidase também tipo 1 e, por isto, sua nomenclatura é H1N1. Mas continua sendo um vírus Influenza A. Diferentes combinações H e N resultam em vírus que podem ser mais ou menos perigosos e que atacam uma ou várias espécies. O vírus H5N1, da gripe aviária, por enquanto é bastante perigoso para aves, tendo matado milhões delas. Também é letal para seres humanos, mas não tão perigoso, porque (ainda) não é transmitido por via aérea. E Deus queira que não seja nunca…
Os sintomas
Febre, tosse, dor de garganta, dores musculares, conjuntivite e, em casos severos, problemas respiratórios e pneumonia, que – dependendo do sistema imunológico do paciente – pode levar a óbito. Aliás, a severidade da infecção, de modo geral, depende do estado do sistema imunológico da pessoa infectada. Depende também se ela já havia sido exposta ao vírus anteriormente, porque isto a deixaria parcialmente imune, funcionando como uma espécie de vacina. Ainda não se sabe se a versão para humanos apresentará outros sintomas. Por enquanto, o vírus que está causando mais problemas é o da gripe suína, a H1N1, que já está causando mortes também neste inverno. Fique alerta aos sintomas desta gripe e não deixe de se vacinar.
Endemia, Epidemia e Pandemia
Como é possível que alguns leitores não saibam exatamente qual a diferença entre uma endemia, uma epidemia e uma pandemia, o ”Você Sabia?” explica a seguir:
Endemia
É uma doença localizada em um espaço limitado denominado “faixa endêmica”. Isso quer dizer que, endemia é uma doença que se manifesta apenas numa determinada região, de causa local e tem existência permanente. No Brasil existem doenças endêmicas, como, por exemplo, a febre amarela na Amazônia ( região da América do Sul definida pela bacia do rio Amazonas e coberta, em grande parte, por uma floresta tropical ). As pessoas que viajam para aquela região precisam ser vacinadas.
Epidemia



É a manifestação de uma doença infecciosa e transmissível que ocorre repentinamente numa comunidade ou região e pode se espalhar rapidamente para outras regiões, originando um surto epidêmico. A gripe aviária, por exemplo, é uma doença “nova” que se iniciou como um surto epidêmico. Assim, com o tempo e um ambiente estável, a doença passa de epidêmica para endêmica e depois para esporádica.
Pandemia




A pandemia é uma epidemia que atinge grandes proporções, podendo se espalhar por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes ou destruindo cidades e regiões inteiras.
Recapitulando: quando uma doença existe apenas em uma determinada região é considerada uma endemia. Quando a doença surge repentinamente e é transmitida para outras populações, infestando mais de uma cidade ou região, chama-se epidemia. E, quando uma epidemia se alastra de forma desequilibrada, espalhando-se pelos continentes, ou pelo mundo todo, ela é chamada de pandemia.

fonte:vocesabia.net/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado!